Thursday, August 20, 2009

Caspar Friedrich


Chove? Nenhuma chuva cai...
Então onde é que eu sinto um dia
Em que o ruído da chuva atrai
A minha inútil agonia?

Onde é que chove, que eu o ouço?
Onde é que é triste, ó claro céu?
Eu quero sorrir-te e não posso,
Ó céu azul, chamar-te meu...

E o escuro ruído da chuva
É constante em meu pensamento.
Meu ser é a invisível curva
Traçada pelo som do vento...

E eis que ante o sol e o azul do dia,
Como se a hora me estorvasse,
Eu sofro... E a luz e a sua alegria
Cai aos meus pés como um disfarce.

Ah, na minha alma sempre chove.
Há sempre escuro dentro de mim.
Se escuto, alguém dentro de mim ouve
A chuva, como a voz de um fim...

Quando é que eu serei da tua cor,
Do teu plácido e azul encanto,
Ó claro dia exterior,
Ó céu mais útil que o meu pranto?


Fernando Pessoa, Cancioneiro


Almada Negreiros


Is it raining? No, there's no rain...
Then where do I feel there's a day
In which the sound of rain conveys
The weight of my useless pain?

Where is this rain I hear nonstop?
Where is it sad, o skies that shine?
I'd smile at you but I can not,
O sky of blue, nor call you mine...

And the sound of the rain is dark,
Constant in my imagining.
I am the invisible arc
Incised by the howling wind...

And now before the blue of day,
As if the hour turned a vise,
I suffer... What is light and gay
Falls to my feet as a disguise.

Oh, it rains always in my soul.
Inside of me there's always gloom.
I hear, and someone in me knows,
The sound of rain, a voice of doom...

When will I turn into your hue,
Your placidity, charm and cheer,
O luminous external blue,
Sky more useful than my tears?

tradução Jorge Pontual


5 comments:

Diz said...

AH! Fernando Pessoa, maravilhoso- sempre, com todos os perfis.
Ulalá, fez um post novo!
Tb chove dentro de mim, quero luz e sol- hj há sol lá fora, em mim...
Um Bj
Laura

Thulio Benvenuti said...

Boa Noite Jorge.

Parabéns pelo blog, está com um conteúdo excelente!

Bom, como estou de férias sem fazer nada em casa, resolvi passar o tempo fazendo um template aqui para o seu blog. ;)

O template está em > http://nyontimeteste.blogspot.com/

Copiei o seu último post só para você dar uma olhada em como ficou.

Bom, fiz mais por passatempo, mas se você gostar e quiser utiliza-lo aqui, me manda uma mensagem no twiiter (@thuliobenvenuti).

É claro que falta muita coisa no template (afinal, é só um rascunho). Esses widgets da sua coluna lateral podem ser inseridos da mesma forma que você os inseriu neste atual template.

Enfim, qualquer coisa, caso queira usar o template (seria uma honra), ou fazer alguma modificação, etc... Estou a disposição no twitter: @thuliobenvenuti

Grande abraço,
Parabéns pelo trabalho e pelo blog ;)

Lunna said...

Sempre que leio Pessoa eu me demoro mais na paisagem e fico a espiar o mundo de uma forma que nem sei descrever. Fica tudo diferente...
Grata pelo momento de hoje com essa tradução singular. Abraços meus

Anny said...

Este é um dos poemas de Fernando Pessoa que mais gosto...


E com este fundo negro, ficou perfeito. Como as telas de Kandinsky...

Eliana Frantz said...

Adorei o seu blogue.
E a tradução de Fernando Pessoa: impecável.
Gosto muito de seus poemas.
Parabéns, velho gerreiro.
Abraços online.
Eliana Frantz