Thursday, February 21, 2008

Alfred Brendel

Fui à despedida de Alfred Brendel do Carnegie Hall. Não posso acreditar que não vou mais vê-lo, pelo menos não nessa sala onde ele se apresenta todo ano.
Chorei de felicidade e gratidão ao ouvi-lo tocar o Impromptu n. 90, #3 de Schubert (ver post abaixo para um video de Brendel tocando essa peça). 
Há 30 anos as gravações de Brendel marcam a minha vida. 
Vê-lo tocar é surpreendente. Brendel vai para um mundo só dele, onde ele se entrega inteiramente à música. Parece que o duende (ver post abaixo) toma conta dele. Eu estava sentado bem perto então pude ver detalhes. O rosto se desmancha em tics, a boca treme e faz bico, sorri e cantarola, as sobrancelhas fazem uma dança à parte, os óculos de fundo de garrafa sacodem, as bochechas parecem geléia. Contado assim parece cômico. Mas essas expressões são o inconsciente, a alma do artista vindo à tona, transbordando, junto com a emoção que ele transmite ao tocar. Brendel reúne uma técnica perfeita, cristalina, a clareza na execução de estruturas extremamente complexas, a uma poderosa verdade emocional. Parece que a música está sendo criada neste exato momento, como se ele tocasse e o mundo ouvisse a obra pela primeira vez. Um frescor absoluto. Então esse rosto que pelos padrões convencionais seria considerado bem feio ou até ridículo, essas caretas desconcertantes, se transmutam junto com a música num momento de beleza sublime. Estamos diante da Arte - e do Duende.

Ele tocou (video abaixo) a maravilhosa sonata em Si Bemol de Schubert, para mim a mais bela de todas as sonatas para piano. Como o video está incompleto postei a íntegra do primeiro movimento.

Schubert, Sonata n. 21 em Si Bemol, Alfred Brendel


Brendel tem 77 anos, é austríaco, nasceu na Tchecoeslováquia, vive em Londres e é pianista há 60 anos. É autodidata. Ele diz que preferiu descobrir sozinho como tocar o repertório clássico. Gravou toda a obra para piano de Mozart, Beethoven e Schubert. É provavelmente o maior pianista vivo. Não há artista que eu adore mais do que Alfred Brendel. A última apresentação dele vai ser em dezembro deste ano em Viena, quando ele vai tocar meu concerto preferido de Mozart, o n. 9.

Mozart, Concerto para piano e orquestra n. 9, Rondo, Alfred Brendel

Uma das maiores qualidades de Brendel é que ele não se leva a sério, não faz pose. Tem uma atitude humorística diante da vida.
Poeta com muitos livros publicados (é também pintor), a poesia dele é subversiva e surrealista. Escreve em alemão. Traduzi os poemas abaixo de uma tradução para o inglês.

1.
Somos o galo e a galinha
Somos também os franguinhos

E o ovo
Quem é o ovo
SOMOS O OVO
a gema e a clara

Ademais
somos a raposa
que come as galinhas

Céus somos tudo

2.
Quando Mozart foi assassinado
ninguém
nem mesmo Haydn
teria imaginado
que foi Beethoven
quem cometeu o pérfido ato
Durante um passeio
enquanto Mozart
cansado de pular carniça
descansava na grama
Beethoven
disfarçado de Salieri
se aproximou
furtivo como um gato
e derramou veneno
no ouvido incomparável de Mozart.

Neste ponto
é preciso mencionar
que havia
na vida de Beethoven
um segredo bem guardado
Beethoven era NEGRO
e Mozart DESCOBRIU
Depois de um dos maravilhosos improvisos de Beethoven
Mozart
sussurrou para Süssmayr
Nada mal para um negão
Agora ele está caído
com veneno correndo nas veias
Rindo soturno
o culpado escapuliu
em plena posse da clave de Dó menor
a qual
de agora em diante
seria dele

3.
No além
podemos compensar
o que nos faltou na vida
Beethoven por exemplo
pode se realizar como padeiro
jogando a massa no forno com a fúria habitual
A semelhança entre suas sonatas e os pretzels
foi notada primeiro por Tovey
mas foi o ouvido aguçado de Schenker
que comparou as últimas bagatelas
a bolos de semente de papoula
A mais recente composição do falecido mestre
seus "Bagels Xingadores"
xingam
quando você mergulha os dentes neles.

Image Hosted by ImageShack.us



3 comments:

Iza said...

Bom humor é fundamental. Gostei muito da poesia
um abraço

Sonia said...

Que beleza! Nunca tinha ouvido Alfred Brendel tocar. Ótimo o seu seu texto! Obrigada pelas músicas!

Diz said...

Me dá pena qdo vc some. Teu blog é mto bom.