Tuesday, September 20, 2005

Friedrich



Je t'adore à l'égal de la voûte nocturne,
Ô vase de tristesse, ô grande taciturne,
Et t'aime d'autant plus, belle, que tu me fuis,
Et que tu me parais, ornement de mes nuits,
Plus ironiquement accumuler les lieues
Qui séparent mes bras des immensités bleues.

Je m'avance à l'attaque, et je grimpe aux assaults,
Comme après un cadavre un choeur de vermisseaux,
Et je chéris, ô bête implacable et cruelle!
Jusqu'à cette froideur par où tu m'es plus belle!






Eu te adoro sim, como adoro o céu noturno,
Ó vaso de tristeza, ó anjo taciturno,
E amo ainda mais quando desapareces,
Ornamento das minhas noites, e pareces
Com tamanha ironia aumentar os espaços
Que, do imenso azul, separam os meus braços.

Eu avanço no ataque, e entro na liça
Como um coro de vermes cercando a carniça
E venero, ó fera cruel, implacável,
Até tua frieza, que acho adorável!

4 comments:

maria said...

stupendo... magnifique!!!!!

Diz said...

J'adore cette poème.

Diz said...

Ce poème,
não é Jorge? é masculino, não é?
estou engatinhando no fr.
uma hora consigo fazer uma frase básica certa :)
não precisa colocar estes comentários pessoais- um com erro, outro pessoal demais.
Merci
Bj Elianne- Laura
gostava do tempo que vc falava comigo... uma pena...

Diz said...

Jorge no link à direita está:

Eu ta adoro sim

Eu ta
o certo é:
Eu te.
Está correto no post.
Se tiver tempo corrija.
Bj Laura