Saturday, January 14, 2006

AQUI, NÃO

Chamar os judeus de "sábios de Sião" (comentário de Lucas Carvalho no post abaixo) é inaceitável. "Protocolos dos Sábios de Sião" é um texto forjado pela polícia tzarista no século XIX e usado para incitar as populações da Europa Oriental a massacrar judeus. Mais tarde serviu a Hitler para preparar o Holocausto. Hoje em dia, esse panfleto é publicado nos países muçulmanos e estudado nas madrassas como se fosse verdade, para reforçar a tese de que os judeus controlam o mundo através de uma conspiração diabólica. Os genocidas que mataram milhões de judeus, e querem matar os que restaram, usaram e usam esse texto para justificar seus crimes. Esse tipo de comentário deve ser bem-vindo em blogs neonazistas. Aqui, não.
Quanto a perguntas sonsas do tipo "por que os judeus, tão perseguidos, estão sempre se dando bem?", que é exatamente a idéia por trás dos tais "protocolos", a resposta é simples: os judeus são muito unidos e solidários entre eles (ao contrário dos árabes, por exemplo, que vivem se matando uns aos outros); veneram o estudo, a cultura, a erudição e por isso sempre fazem parte da elite intelectual onde quer que vivam; devem ter ótimos genes, resultado da seleção natural num grupo perseguido, pois se destacam em tudo o que fazem. Quanto à questão financeira, que é o que mais causa inveja e ódio: os judeus sempre foram proibidos de possuir terras, portanto para sobreviver só lhes restavam o comércio e as finanças. Assim criou-se a tradição financeira entre eles.
Mas é inerente à espécie humana a necessidade do bode expiatório, do Outro que leva a culpa de tudo o que não queremos enfrentar em nós mesmos. Historicamente, o cristianismo elegeu o judeu como o bode expiatório. E apesar de alguns gestos recentes, as igrejas cristãs ainda estão muito longe de expiar todos os crimes cometidos contra os judeus em nome de Cristo, um judeu.
Os muçulmanos sempre foram muito mais tolerantes em relação aos judeus, até o sucesso da criação de Israel em terras abandonadas pelos latifundiários árabes e por eles vendidas aos primeiros colonos sionistas. Deve ser muito difícil para os árabes enfrentar a realidade de que suas sociedades estão entre as mais atrasadas e opressoras. Se não fosse o petróleo... Assim mesmo, o dinheiro do petróleo não é usado para o desenvolvimento e os árabes importam 92% do que consomem. É bem mais fácil culpar Israel.
Os judeus não chegam a 0,2% da população mundial. Será que assim mesmo não têm o direito de existir em paz?

1 comment:

eduardo said...

Não sou judeu.
Fui eduacado como cristão.
Mas sempre percebi que havia muita coisa errada quanto aos ensinamentos da minha religião.
Nunca fui muito religioso por causa de algumas contradições: porque seria pecado enriquecer, fazer sexo e por que se autoflagelar, sofrer,etc, seriam coisas ligadas ao paraiso ?
A verdade que a perseguissão aos judeus é uma GRANDE INVEJA DA HUMANIDADE.
Apesar de existir um pocuo de preconceito dos judeus com o resto, de se acharem o povo escolhido por DEus, não é pior do que os muçulmanos pregam.
É admirável o modo como são criados, venerando a ciencia, as artes, a cultura,a erudição, preocupando-se na tradição, evocando e ilustrando para os mais jovens a histtória de grandes intelecutuais judeus.È sua preocupação com a educação,artes e cultura que leva o povo judeu ao sucesso inconteste,de forma limpa e democrática.
È livre a opção pela educação, o estudo das artes, da cultura, o desenvolvimento finaceiro a todos os povos....Não há nada de diabólico nisso, há uma eficiência incrível deste povo com pucos milhões inseridos num universo de bilhões de pessoas.
Comandam o mundo sim.
São mais preparados, mais organizados, mais unidos e ,portanto, mais fadados ao sucesso do que qualquer outro povo desta TERRA.
PARBÉNS AO POVO JUDEUS.
MUITOS IMPÉRIOS CHEGARAM AO AUGE E DECAIRAM E O POVO JUDEU ASSISTE A TUDO, DESDE O SURGIMENTO Á EXTINÇÃO DE POVOS, QUE INCLUSIVE OS SUBMETERAM À ESCRAVIDÃO E AO GENOCÍDIO.
PARABÉNS...
É UM EXEMPLO A SER SEGUIDO E NÃO A SER CRITICADO.